57% OFF
Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa

O novo livro de Antonio Didier Vianna, 'Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa' traz a análise do autor do que ocorreu com a interação governo/economia e que conduziu à crise em 2013 e gerou os desdobramentos até o mês de maiode 2018. Com uma rica vivência de mais de meio século colaborando para o desenvolvimento do Brasil, Antonio Didier Vianna nos apresenta soluções para que o país volte ao patamar “das nações do Primeiro Mundo, sendo mais competitivo e acabando com a pobreza, a falta de educação e incorporando à sociedade a população brasileira marginalizada.” Reforma tributária, revisão constitucional, estatuto do funcionalismo e a flexibilização do trabalho são alguns dos pontos abordados nas reflexões impostas pelo autor. O desafio de voltar a crescer é a preocupação constante nas palavras de Didier, que acredita na descentralização do poder e que disseca a anatomia da crise com diagnósticos e prognósticos.

Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa
R$45,90 R$19,90
Quantidade
Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa R$19,90

Conheça nossas opções de frete

O novo livro de Antonio Didier Vianna, 'Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa' traz a análise do autor do que ocorreu com a interação governo/economia e que conduziu à crise em 2013 e gerou os desdobramentos até o mês de maiode 2018. Com uma rica vivência de mais de meio século colaborando para o desenvolvimento do Brasil, Antonio Didier Vianna nos apresenta soluções para que o país volte ao patamar “das nações do Primeiro Mundo, sendo mais competitivo e acabando com a pobreza, a falta de educação e incorporando à sociedade a população brasileira marginalizada.” Reforma tributária, revisão constitucional, estatuto do funcionalismo e a flexibilização do trabalho são alguns dos pontos abordados nas reflexões impostas pelo autor. O desafio de voltar a crescer é a preocupação constante nas palavras de Didier, que acredita na descentralização do poder e que disseca a anatomia da crise com diagnósticos e prognósticos.